segunda-feira, 15 de junho de 2009

Formas Pensamento - Duplo Efeito -Cap. 2/8


DUPLO EFEITO DOS PENSAMENTOSCada pensamento bem definido produz um duplo efeito:

Uma vibrante radiação e uma forma suscetível .de flutuar pelo espaço. Falando com propriedade, no princípio o pensamento parece ao clarividente como uma vibração no corpo mental, que se pode manifestar sob uma forma complexa ou simples.

Se o pensamento é perfeitamente simples, não põe em atividade mais do que uma espécie de vibração; portanto, apenas uma espécie de matéria mental será notavelmente modificada.
O corpo mental está, com efeito, composto de matéria de diferentes graus de densidade, que geralmente dividimos em "espécies" correspondentes aos diversos subplanos.
Cada um destes subplanos se separa em muitas subdivisões, e se representamos estas traçando linhas horizontais para indicar os diferentes graus de densidade, há uma outra disposição que poderíamos simbolizar traçando linhas verticais cortando-as em ângulos retos, para denotar os diferentes tipos de qualidades de densidades.

Existem, pois, numerosas variedades de matéria mental, e tem se notado que cada uma delas tem seu modo especial e bem definido de vibração, ao qual parece mais habituada. De sorte que cada variedade responde automaticamente e tende naturalmente a reproduzir as mesmas vibrações que tenham sido interrompidas por um pensamento ou uma sensação marcadamente forte em outro sentido.

Vejamos um exemplo: um homem que ceda freqüentemente a pensamentos impuros, poderá esquecê-los enquanto permaneça engolfado na corrente diária de seus negócios, e não obstante isso, as formas de pensamento flutuam sobre ele, qual uma espessa nuvem, pois toda a sua atividade mental está dirigida em outra direção e o seu corpo astral é sensível apenas a vibrações similares.
Mas quando as atividades exteriores diminuem, quando o homem se entrega ao descanso depois do trabalho, e a sua mente está passiva, sentirá a corrente insidiosa das vibrações impuras dirigir-se para si. Se a sua consciência está desperta até certo grau, ele se aperceberá do fato que acabamos de explicar, e dirá que "esta tentação é obra do diabo". Contudo, a verdade é que este assalto do mal não vem do exterior, senão em aparência, pois na realidade é a reação de suas próprias formas de pensamento.

Cada homem se move num espaço, encenado como que numa caixa fabricada por ele mesmo, rodeado de cardumes de formas de pensamento habituais.
Nestas condições, ele só vê o mundo através deste tabique, e naturalmente matiza todas as coisas com a sua própria cor dominante, e toda a gama de vibrações que o afetam é mais ou menos modificada pela sua própria tinta pessoal. Assim é que o homem não vê nada com exatidão até haver aprendido a dominar por completo os sentimentos e os pensamentos.
Antes disso, todas as suas observações têm de ser feitas através de seu meio próprio, o qual deforma e empana tudo quanto o afeta, semelhante a um espelho embaciado. Se o pensamento não se dirige especificamente para alguém, se não se fixa no ser a quem é enviado, flutua simplesmente na atmosfera, radiando sem cessar vibrações análogas às que têm sido postas em movimento pelo seu criador.

Se o pensamento não se põe em contacto com outros corpos mentais, esta vibração diminui gradualmente em energia e termina com a dissolução da forma de pensamento. Se, ao contrário, esta vibração consegue despertar num corpo mental próximo uma vibração simpática, as duas vibrações se atraem e a forma de pensamento é, geralmente, absorvida por este novo corpo mental.

espiritualismo.hostmach
Samantha
Leia Mais ››

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Formas Pensamento - Mental e Astral - Cap.1/8





LIVRO FORMAS DE PENSAMENTO
Annie Besant e C.W. Leadbeater


CORPO MENTAL E PLANO MENTALO ser humano verdadeiro, o Pensador, está envolto num corpo composto de inumeráveis combinações da matéria sutil do plano mental. Esse corpo é mais ou menos perfeito, mais ou menos organizado para as funções que tem de desempenhar, segundo o grau de desenvolvimento alcançado pelo ser humano.

O corpo mental é um organismo de maravilhosa beleza; a finura e plasticidade das partes que o constituem lhe dão a aparência de uma luz vivente, e quanto mais desenvolvida é a inteligência, num sentido puro e desinteressado, maior é o seu esplendor e beleza.

Todo pensamento dá origem a uma série de vibrações que no mesmo momento atuam na matéria do corpo mental. Uma esplêndida gama de cores o acompanha, comparável às reverberações do sol nas borbulhas formadas por uma queda de água, porém com uma intensidade mil vezes maior.

Sob este impulso, o corpo mental projeta para o exterior uma porção vibrante de si mesmo, que toma uma forma determinada pela própria natureza destas vibrações.
Do mesmo modo, num disco coberto de areia se formam certas figuras sob a influência de uma nota de determinada música. Nessa operação mental se produz uma espécie de atração da matéria elemental do mundo mental, cuja natureza é particularmente sutil.

Desta maneira, temos uma forma de pensamento pura e simples, uma entidade vivente, de uma atividade intensa, criada pela idéia que lhe deu nascimento. Se esta forma é constituída pela matéria mais sutil, será tão poderosa quanto enérgica, e poderá, sob a direção de uma vontade tranqüila e firme, desempenhar um papel de alta transcendência. Mais adiante daremos detalhes acerca desta ação determinada.Quando a energia do homem é dirigida para o exterior, para os objetos desejados por ele, ou é empregada em atos de emoção ou paixão, esta energia tem então por campo de ação uma espécie de matéria muito menos sutil que a do plano mental: a matéria do mundo astral.

CORPO ASTRAL (CORPO EMOCIONAL) E PLANO ASTRAL:O que se chama corpo emocional, ou de desejos, está composto desta matéria mais densa, e é ela que, no homem pouco desenvolvido ainda, constitui a maior parte de sua aura. Quando o homem é de tipo grosseiro, seu corpo de desejos está formado da matéria mais densa do mundo astral; é opaco, as cores são escuras, e os diferentes tons do verde e do vermelho, empanados ou sujos, desempenham o papel mais importante. Segundo a espécie de paixão que se manifesta, a vontade faz brilhar sucessivamente as cores características.

Um homem elevado, ao contrário, tem um corpo de desejos composto das espécies mais sutis da matéria astral, e suas cores são brilhantes e puras, tanto externa como internamente. Este corpo é menos sutil, menos luminoso que o corpo mental; no entanto, seu conjunto c esplêndido, e à medida que se elimina o egoísmo, todos os tons sombrios e obscuros desaparecem com ele.

O corpo emocional ou de desejos dá origem a uma segunda espécie de entidades, em sua constituição geral semelhantes às formas de pensamento que acabamos de descrever, mas limitadas ao mundo astral, e geradas pela mente dominada pela natureza animal.

Estas formas são devidas à atividade da mente inferior, ao exteriorizar-se através do corpo emocional; é a atividade de Kama-Manas segundo a terminologia teosófica, ou a mente dominada pelo desejo. Neste caso, as vibrações se estabelecem no corpo de desejos ou emocional, e sob a sua influência este corpo projeta para o exterior uma porção vibratória de si mesmo, cuja forma é determinada, como no caso precedente, pela própria natureza das vibrações, a qual atrai para si algo da essência elemental do mundo astral.

Uma forma de pensamento desta espécie tem, pois, por envoltura, a essência elemental atraída, e por centro, o desejo ou, paixão que a exterioriza. O poder da forma de pensamento dependerá da quantidade de energia mental combinada com este elemental de paixão ou desejo. Estas formas, tal qual as pertencentes ao mundo mental, são chamadas elementais artificiais, e geralmente são as mais comuns, pois no homem vulgar são muito poucos os pensamentos que não se encontrem manchados pelo desejo, paixão ou emoção.




espiritualismo.hostmach


Samantha
Leia Mais ››

Tarot

Seu DESTINO através do TARÔ

Minha Comunidade de Consultas no antigo Orkut.

The Rider Waite Tarot

Meu baralho preferido - by Waite, Arthur Edward - US GAMES SYSTEMS

Classic Tarot

Meu baralho preferido - by Carlo DellaRocca - Lo Scarabeo